1 de mai de 2011

Cap 12 - O Filho do Homem - Parte 1

O FILHO DO HOMEM E O FILHO DO FUTURO


“3JESUS RESPONDEU, E DISSE-LHE: NA VERDADE, NA VERDADE TE DIGO QUE AQUELE QUE NÃO NASCER DE NOVO, NÃO PODE VER O REINO DE DEUS. 4DISSE-LHE NICODEMOS: COMO PODE UM HOMEM NASCER, SENDO VELHO? PODE, PORVENTURA, TORNAR A ENTRAR NO VENTRE DE SUA MÃE, E NASCER? 5JESUS RESPONDEU: NA VERDADE, NA VERDADE TE DIGO QUE AQUELE QUE NÃO NASCER DA ÁGUA E DO ESPÍRITO, NÃO PODE ENTRAR NO REINO DE DEUS.” JOÃO 3:3-5

“28E EU VOS DIGO QUE, ENTRE OS NASCIDOS DE MULHERES, NÃO HÁ MAIOR PROFETA DO QUE JOÃO O BATISTA; MAS O MENOR NO REINO DE DEUS É MAIOR DO QUE ELE.” LUCAS 7:28

“12E VIREI-ME PARA VER QUEM FALAVA COMIGO. E, VIRANDO-ME, VI SETE CASTIÇAIS DE OURO; 13E NO MEIO DOS SETE CASTIÇAIS UM SEMELHANTE AO FILHO DO HOMEM, VESTIDO ATÉ AOS PÉS DE UMA ROUPA COMPRIDA, E CINGIDO PELOS PEITOS COM UM CINTO DE OURO.” APOCALIPSE 1:12-13

Inicialmente, gostaria de me desculpar a todos. Problemas nas últimas semanas com o computador que uso impossibilitaram que o blog fosse atualizado da forma como vinha sendo feito. Solucionada a questão sequenciamos nossos estudos, com capítulo novo, por sinal.

E vamos começar dizendo que a expressão utilizada por Jesus, “filho do homem”, e tantas vezes presente no evangelho, tem um sentido bem interessante.

Porque se falamos em nascimento nós falamos de filho, e se Jesus menciona filho do homem é porque há filho de mulher (do contrário ele utilizaria somente a expressão filho). E filho é aquele ou aquilo que é oriundo de, origina-se de, se resulta, procede de, é consequência, descende de. Então, ao mencionar “aquele que não nascer da água e do espírito” ele faz referência a dois tipos de nascimento, o nascimento pela água e o nascimento pelo espírito. Dois nascimentos, pois são dois componentes distintos, a água é componente corpóreo, tangível, material, ao passo que o espírito é de natureza diversa.

Filho de mulher nós sempre iremos pensá-lo em aspecto reencarnacionista, é o nascimento biológico. É o que reencarna, surge pelas vias da reencarnação, define o nascimento através da água, significa reencarnar. Como disse Jesus a Nicodemos, nascer da água refere-se ao nascimento material, corpóreo, sob o plano concreto.

Então, filho de mulher pressupõe a fecundação biológica entre espermatozóide e óvulo, que propicia condições de retorno do espírito ao plano físico para que ele implemente, que ele continue sua evolução. Nasce do plano de circunstâncias da lei, surge do impositivo da lei, da necessidade evolucional, onde é imperativa a ocorrência da reencarnação. Para evoluir tem que reencarnar, iniciar novo ciclo, é como escola. Tanto que o mergulho na água tem sentido de limpeza, e o espírito não parte para a reencarnação com outro propósito que não seja o de saneamento, de desoneração do pretérito e de ascensão.

O Cristo foi categórico ao afirmar que “aquele que não nascer de novo não pode ver o reino de Deus.”

Ora, a visão desse reino dos céus todos nós de alguma forma já possuímos. Já entendemos que esse reino não representa lugar onde, mas estado de alma. E por enquanto, esse reino dos céus vem sendo experimentado por cada um de nós em momentos específicos de nossa vida. De maneira fugidia, de forma rápida, nós já temos tido determinadas experiências assim, em que nos sentimos efetivamente vivendo no paraíso, temos lances que se abrem e se apagam.

E para que essa entrada ocorra inúmeras reencarnações nos são propostas pela misericórdia divina. Agora, se a reencarnação nos possibilita a visão do reino, nós podemos reencarnar, reencarnar, reencarnar e continuar apenas na visualização.

Afinal, não vale apenas encarnar-se ou desencarnar-se simplesmente, porque todos os dias formas se fazem e se desfazem, e a entrada unicamente se efetiva pela ação do indivíduo. O que vale realmente é a renovação interior com acréscimo de visão para seguirmos à frente com a verdadeira noção da eternidade em que nos deslocamos no tempo. A entrada se faz pela mudança e essa mudança representa o nascer efetivo de uma nova personalidade no seu sentido não de proposta mental, mas de uma realidade estrutural e vivencial da pessoa. É pelo nascer do espírito que nós vamos ter a presença do entrar.

Nascer da água é reencarnar, propicia ver o reino. Mas para entrar é preciso mais, tem que nascer do espírito, e nascer do espírito é renovar-se. Aí entra o que iremos estudar, o filho do homem. Filho do homem é aquele que nasce dele mesmo, representa aquele que aprende e renova-se, significa o nascer do espírito.

Como disse Jesus a Nicodemos, nascer do espírito é renovar-se. Define o nascimento não pela água, mas do espírito, é nascer dentro de uma mesma estrutura reencarnacionista, é o nascimento sob o prisma espiritual. O filho do homem nasce dele mesmo pela renovação, surge por meio de uma fecundação psíquica, é elaborado pela concepção interior. Adotando Jesus como modelo e guia a criatura aprende e renova-se, nasce pela renovação, por mudanças reeducacionais.

É a criação de uma nova personalidade, de novo conceito. Jesus, penetrando o íntimo, vai desativando as reencarnações, isto é, aquele que precisava de reencarnação para aprender, para crescer, para evoluir, precisa hoje de renovação.

É muito importante entender que a vinda do filho do homem, ao contrário do que muitos pensam, não é externa, mas interna. Ela vem definir a projeção de Jesus em nossa intimidade. O filho do homem consiste em dar à luz um filho, mas que não é no sentido espírito, não é o nascimento de um espírito, mas o nascer no sentido de posições, de estado. Significa dar luz a uma mudança, a novo estado de coisas, é o retorno de Jesus à nossa vida, em equilíbrio e harmonia. Veremos adiante que é a instauração do Cristo em sua segunda vinda.

Por ora, basta nos atentarmos para o fato de que não há como nos redimirmos e nos libertarmos efetivamente sem operarmos este nascimento do filho do homem. Este é o que está querendo nascer, é o que está gritando dentro da gente, e no plano operacional, pela mudança, o estamos gerando. Para nascer tem haver germinação, fecundação, quanto mais puro o sentimento melhor o fruto.

O evangelho tem nos ensinado que cego não pode guiar outro cego. Logo, para orientar a humanidade não pode ser tirado da massa o orientador. Assim, Jesus vem com o título filho do homem (filho é decorrência, resultante) porque na realidade está a muito à nossa frente. É como se ele dissesse ser hoje o que vamos ser amanhã. Perceberam? Filho do homem é uma projeção adiantada do que a humanidade será quando efetivamente aprender a viver o evangelho.

Filho do homem define o filho do futuro, e todo super-homem vive no futuro da raça. É por isso que ele é rejeitado pela massa. Ele vive hoje o que a raça vai viver na frente. E o filho do homem se fez chegar ao meio dos homens com a finalidade de elevá-los, também, à condição de filho do homem. E Jesus é o elemento corporificador do homem, define o Cristo em sua essencialidade operacional plena.

A geração do filho do homem é infinita, não cessa. O dia em que nós deixarmos de gerá-lo com certeza nos dissociamos da condição de filho de Deus. Porque o progresso não sofre estacionamento, a alma caminha incessantemente atraída pela luz imortal. Assim, ninguém acredite que o mundo se redima sem almas redimidas, não adianta formar uma Terra clareada e colocar outros espíritos nela. Pois os espíritos são os mesmos, que se projetam pela elaboração de uma nova personalidade, uma nova proposta interior.

Observe este versículo do apocalipse (E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais um semelhante ao filho do homem,”). Castiçal é um utensílio em cuja parte superior há um local apropriado para se depositar a vela. É um suporte, instrumento onde se coloca a lâmpada, a luz, resumindo é o componente apropriado para que a luz seja colocada.

Tudo bem, mas o que nos interessa no estudo em questão é que, vendo em meio aos castiçais (no centro) o filho do homem ele vê o objetivo desses castiçais, o destino da convergência da luz que deles dimana, que é laborar as personalidades humanas em uma proposta redentora de libertação espiritual. Percebeu? Filho do homem no meio dos castiçais significa a finalidade dessa luz.

E toda luz tem a princípio a finalidade de clarear. Logo, é preciso que o castiçal seja um componente irradiador da luz. Por isso ele é um castiçal de ouro, pois o ouro simboliza o que há de mais precioso e valioso em nossa faixa de doação.

Jesus define que o filho do homem não veio para ser servido, mas para servir. Resultado: filho do homem é aquele que opera em nome do criador, que dá testemunho ao homem, que é capaz de realizar junto dos homens, ele representa quele que já vive, que já deu testemunho daquilo que aprendeu com Ele.

Um comentário:

  1. Oi amigo Marcos adorei o seu blog, muito abençoado, com certeza está ajudando muitas pessoas com suas palavras de conhecimento sobre o evangelho, fico feliz de ter tido a oportunidade de conhece-lo. Denise PC

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...