26 de dez de 2011

Cap 20 - A Tentação - Parte 2

SENTIDO POSITIVO

“12BEM-AVENTURADO O HOMEM QUE SUPORTA A TENTAÇÃO; PORQUE, QUANDO FOR PROVADO, RECEBERÁ A COROA DA VIDA, A QUAL O SENHOR TEM PROMETIDO AOS QUE O AMAM. 13NINGUÉM, SENDO TENTADO, DIGA: DE DEUS SOU TENTADO; PORQUE DEUS NÃO PODE SER TENTADO PELO MAL, E A NINGUÉM TENTA.” TIAGO 1:12-13

“10COMO GUARDASTE A PALAVRA DA MINHA PACIÊNCIA, TAMBÉM EU TE GUARDAREI DA HORA DA TENTAÇÃO QUE HÁ DE VIR SOBRE TODO O MUNDO, PARA TENTAR OS QUE HABITAM NA TERRA. 11EIS QUE VENHO SEM DEMORA; GUARDA O QUE TENS, PARA QUE NINGUÉM TOME A TUA COROA.” APOCALIPSE 3:10-11

“8EM TUDO SOMOS ATRIBULADOS, MAS NÃO ANGUSTIADOS; PERPLEXOS, MAS NÃO ESANIMADOS. 9PERSEGUIDOS, MAS NÃO DESAMPARADOS; ABATIDOS, MAS NÃO DESTRUÍDOS;” II CORÍNTIOS 4:8-9

Não são poucas as pessoas que estranham a promessa de tentações, que por sua vez devem ser consideradas como experiências imprescindíveis. Uma coisa é certa, a tentação faz parte da linha da ação natural da vida, e caminhar do berço ao túmulo sob as suas marteladas é algo natural, não há como querermos atravessar o mundo isento delas, não se pode viver no mundo sem a tentação.

Não há como passarmos para um estágio seguinte sem sofrermos a insinuação dos padrões antigos, não existe progresso real sem o momento da tentação. É isto aí, até alcançarmos o triunfo pleno sobre os nossos desejos malsãos sofremos na vida, seja no corpo ou além dele, os flagelos inevitáveis da tentação.

E quanto ao fato de Jesus ter sido tentado não é para se assustar, isto é o que mais pode. Afinal, ele é a luz maior e está praticamente imune a determinadas propostas de natureza inferior. No entanto, tentá-lo é como querer lançar uma bola de tênis sob um muro de concreto de um metro de espessura. Seria triste, talvez nem estivéssemos aqui estudando, se ele tivesse caído na tentação.

Se você estiver recebendo a insinuação de padrões menos felizes, não fique triste não, fique feliz. O ato de ser tentado não é negativo, pelo contrário, é positivo.

Aliás, é algo muito positivo. A tentação, bem como a tribulação, no papel que desempenham no direcionamento ascensional, são instrumentos positivos, não negativos.

Só pode ser tentado quem se encontra no caminho do bem, quem está situado no ponto e no campo positivo da evolução, só é tentado e instigado negativamente quem está tentando dar o passo correto, quem está tentando acertar.

Até mesmo a atuação de entidades de menos equilíbrio em relação a alguém na área da influenciação, a atuação desses espíritos de curso inferior sob uma criatura que está tentando trabalhar equilibradamente (e veremos depois que a tentação não é algo que vem de fora, mas emerge da própria intimidade do ser), é um aspecto essencialmente positivo da caminhada. Lembre-se: aquele que está sendo assediado está no plano positivo, se não estiver sendo assediado ele é o assediador. Porque aquele que se encontra no campo negativo da vida, pisando na bola, fazendo e acontecendo negativamente falando, não tem o perigo de ser tentado, já se encontra embutido na tentação, representa a tentação em si. Satanás, por exemplo, não é tentado, pois já é o tentador.

É preciso saber que Deus não tenta ninguém. Claro, tentação é uma insinuação negativa e Deus, que irradia somente amor, não irradia elementos dessa ordem.

Se no plano de onde estamos para cima situamo-nos debaixo de um jugo de sofrimento, de lá para cá não há um processo de cobrança, de lá para cá existe um processo educacional, o que é bem diferente. E se de lá para cá é educacional, Deus não cobra, e tanto não cobra que Ele não sente ofensas. De cima não vem tentação, de cima vem elementos orientadores, de cima vem orientação, o mecanismo evolucional vem de cima, pois a evolução não se assenta em cima dos padrões já conquistados. De maneira que Deus não tenta e também não sofre a tentação. Afinal, ele é intocável e não existe força alguma presente na estrutura do universo capaz de colocar em risco a sua soberania. O diabo, personificado nos espíritos negativos, que se aproveita da concupiscência, como veremos, é quem tenta. Não sei se vai ficar muito claro agora, mas a própria tribulação, componente positivo da evolução, que vem aferir a nossa capacidade seletiva, não é Satanás, mas pode fazer emergi-lo e nos levar a uma identidade com ele. Pela tribulação nós podemos sucumbir à insinuação negativa e fazer com que Satanás se expresse por atitude menos feliz nossa.

Se a tentação é um componente projetor e instrumento indutor da evolução, o problema não está na tentação, no fato de ser tentado. A prece do pai nosso que todos nós conhecemos não nos diz “não nos deixai ser tentados”, o que seria algo anti-didático e totalmente anti-evolutivo. Ela define “não nos deixai cair em tentação”. O desafio é a queda, a dificuldade e a dor ocorrem ao cairmos na tentação. A queda de cada qual dentro dela, a queda sob o impacto dos acontecimentos é a situação menos feliz, o cair na tentação é que representa o problema e o estrago total. E recomenda-nos Jesus no seu evangelho de luz não cairmos na tentação, sermos fortes, não sucumbirmos nas faixas negativas diante das dificuldades e das tribulações, sejam elas quais forem.

A educação legítima, ou melhor, a projeção de qualquer criatura no plano educacional apenas é definida após o sistema natural aferidor da tentação. Estamos falando didaticamente, é a prova que a pessoa passa. Não é prova tipo vestibular, de um concurso público ou a realização de uma prova escrita qualquer, ou de múltipla escolha. Não é isto, é a prova ante os acontecimentos da vida.

Também a tribulação é componente da evolução, que tem sentido positivo, que apresenta natureza aferidora das legítimas propostas e tem por objetivo aferir o grau seletivo, medir a capacidade experimental. A tribulação consiste na adversidade, aflição, contrariedade, amargura, tormento. Note que além da percepção imediata da dor há o teste da capacidade operacional do ser, atrás de qualquer dificuldade vamos sempre encontrar uma linha indicativa a promover a redenção e a libertação das criaturas que a elas estão vinculadas. A gente tem buscado ser feliz, cada qual à sua maneira, e nada de maldizer as dificuldades.

Temos lutado para alcançar o patamar do reconforto e segurança, e analisando a retaguarda, o nosso passado, vamos notar que grandes vitórias que tivemos, talvez as melhores conquistas, ocorreram em cima de tribulações. Os grandes êxitos nossos emergem através delas. Existe um ditado que diz que “a necessidade faz o sapo pular”. O importante é não cairmos diante das tentações e tribulações.

A tribulação não pode nos levar ao desespero em hipótese alguma. Basta nos lembrarmos daqueles documentários que comumente passam na televisão e que mostram um coelho escapando do leão ou de um predador qualquer. Lembre-se: se estamos sendo perseguidos e não resolvemos nos virar vamos acabar sendo abatidos nessa perseguição, se pararmos a caminhada porque a tribulação chegou com certeza entramos no desespero e perdemos jogo da situação.

“Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.” (Tiago 1:2) “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.” (Apocalipse 3:11) Muito importante isto: nós vencemos a tentação e a tribulação com determinação, com a adoção firme de atitudes positivas e resolutas. E aquele que se reveste em uma linha segura de ação dá passos maravilhosos na sua caminhada, não apenas saneia o destino em função do erro lá de trás, melhorando as suas condições atuais, como também avança em um processo que vai lhe dar muito reconforto, tranquilidade e paz.

Porque para podermos sair do sufoco do ontem nós temos que receber a coroa hoje.

Sem receber a coroa não é possível respaldar o destino. Aquele que não recebe a coroa não avança, porque a coroa é o componente que vai garantir a nossa sustentação no ritmo da vida. A coroa é uma concessão que está em disponibilidade para todos nós, e falamos da coroa como resultado positivo, a coroação de uma conquista.

A coroa podemos compreendê-la como sendo outorga de poder. Não é isto que caracteriza uma coroa? Ela não implica em poder? Então, se analisarmos com carinho observaremos que, no mínimo, ela tem como sentido prático e objetivo na vida, ou no campo social, o mando, o governo, o direcionamento. É sinal que em determinado momento, ao ser concedida a alguém, fica como que decretada, didaticamente, que essa concessão implica em uma responsabilidade desse alguém perante inúmeras pessoas. Pode ser uma responsabilidade perante uma nação, um grupo familiar, uma empresa, com dois, quatro ou três mil funcionários.

O importante é isso ser entendido, compreender o que seja a coroa. Essa responsabilidade também pode ser apenas do indivíduo consigo próprio no campo das suas lutas re-educacionais pessoais. Aspecto interessante, pois a coroa representa para nós que já estamos nos candidatando a uma capacidade de governo, de gerenciamento, e no sentido reeducacional define a principal característica, mostra a capacidade do ser em gerenciar e administrar sua própria estrutura pessoal, suas próprias ações, seu próprio corpo. Sem esquecer que no fundo a coroa é sempre compatível ao grau de merecimento da criatura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...