18 de mar de 2012

Cap 22 - Felicidade é Agora - Parte 3

MESMO NA DOR

“NÃO SE TURBE O VOSSO CORAÇÃO; CREDES EM DEUS, CREDE TAMBÉM EM MIM.” JOÃO 14:1

“DEIXO-VOS A PAZ, A MINHA PAZ VOS DOU; NÃO VO-LA DOU COMO O MUNDO A DÁ. NÃO SE TURBE O VOSSO CORAÇÃO, NEM SE ATEMORIZE.” JOÃO 14:27

“CHEGADA, POIS, A TARDE DAQUELE DIA, O PRIMEIRO DA SEMANA, E CERRADAS AS PORTAS ONDE OS DISCÍPULOS, COM MEDO DOS JUDEUS, SE TINHAM AJUNTADO, CHEGOU JESUS, E PÔS-SE NO MEIO, E DISSE-LHES: PAZ SEJA CONVOSCO.” JOÃO 20:19

As almas imaculadas não povoam ainda a Terra e cada berço é o início de viagem laboriosa para a alma necessitada de experiência.

Criatura alguma na experiência terrestre poderá marchar constantemente sob um céu sem nuvens, não passará no mundo sem tempestades e nevoeiros, sem o fel de provas ásperas ou o assédio das tentações. Buscando o bem, jornadearemos todos entre pedras e abismos, pantanais e espinheiros. Não é intenção abordamos o tema felicidade de forma negativa, todavia, lembremo-nos que o mestre a ninguém prometeu avenidas de sonho e horizontes azuis no planeta, mas sabedor de que a tempestade das contradições humanas não pouparia nem a ele próprio, recomendou-nos sensatamente: “não se turbe o coração”.

Vamos abrir o coração para recolhermos a vontade do criador com esperança e alegria, porque o coração puro e intimorato é garantia de consciência limpa e reta, e quem dispõe de consciência dessa natureza vence toda a perturbação e toda treva por trazer em si mesmo a luz irradiante para o caminho da vida plena.

A vida é sábia e de uma beleza extraordinária, e por mais rude seja a nossa tarefa no mundo não nos atemorizemos e façamos dela o caminho de progresso e renovação. Embora rujam trovões em torno da tua estrada, tranquiliza o coração e segue em paz na direção do bem maior. Nada de carregarmos no pensamento o peso morto da aflição inútil, não adianta e apenas agrava as coisas. Por mais sombria a trilha a que sejamos conduzidos, enriqueçamo-nos com a luz do esforço no bem, porque nada existe no mundo que não possa transformar-se em respeitável motivo de trabalho e alegria. E ninguém está deserdado de oportunidades em favor de sua melhoria. A sua vida pode não ser a vida dos seus sonhos, mas ela pode ficar bem melhor do que está.

Viver de qualquer modo é para todos, é corriqueiro, comum, mas viver em paz consigo mesmo é conquista para poucos. Independente de quais forem os objetos das tuas dificuldades e aflições, guarda contigo que a paz é segurança da vida, razão pela qual a gente precisa aprender a não perder a paz em tempo algum. E ela é tão fundamental em nossa caminhada que por ocasião do nascimento do Cristo, na manjedoura, as vozes celestiais, após o louvor aos céus, expressaram votos de paz à Terra. E mesmo depois da ressurreição, voltando de forma gloriosa ao convívio das criaturas amadas, antes de traçar qualquer plano de trabalho disse Jesus aos discípulos espantados: a paz seja convosco.

Você já analisou que de certa forma nós não sofremos tanto pelos fatos, mas sim pela avaliação que fazemos dos mesmos fatos? Alguém pode dizer assim: “Puxa vida, perdi meu emprego hoje, fui demitido. Estou arrasado”. Ora, cá para nós, é um fato que ele perdeu o emprego, mas é apenas opinião dele que está arrasado.

Nós sofremos muito mais pelo que a mente sugere do que pelo que o fato representa. Nem tanto pelos fatos, mas por nossas opiniões acerca deles. É preciso analisar a forma como estamos encarando os acontecimentos, não podemos mais deixar que as emoções estejam na ponta deles. Nós sempre podemos amenizar a intensidade dos efeitos. Todo caos é resolvido pela misericórdia divina.

Ante a insegurança, que quer empalidecer os nossos valores, é preciso buscar a luz e a harmonia íntimas para que em meio aos problemas não venhamos perder a alegria futura. Isto merece muito destaque, porque aquele que deixar ofuscar a luz de amar em função dos problemas vai se defrontar com problemas ainda muito maiores. Vamos aprender a sorrir com a grandeza e beleza da vida, pois começando a sorrir debaixo das situações menos felizes nós começamos a angariar a felicidade com efetividade, e aquele que não aprender a sorrir nos momentos de dificuldade dificilmente usufruirá o direito de sorrir com legitimidade.

É inegável que em nosso aprendizado terrestre atravessamos dias de inverno ríspido. E a gente tem que lembrar que sendo pobre ou rico, saudável ou doente, toda situação é efêmera, passará como passam todos os dias e todas as noites.

Caminheiros eternos da estrada da evolução, somos espíritos encarnados submetidos a provas que nos cumpre vencer. Os problemas não surgem para nos desanimar, e sim para nos mostrar a grandeza da vida. Vencemos uma etapa e outras surgem. Além do que, se tirarmos todos os espinhos que nos envolvem acabamos por sumir dos valores espirituais em razão das nossas deficiências. Pense nisso. A jornada tem dessas coisas. Obstáculos a gente tem, porém, não significa que a gente deva naufragar dentro daquele ponto ou problema. Temos que laborar a vida tentando evitar que os momentos infelizes assumam o comando da direção, que as dificuldades assumam a tônica de vida.

Temos realmente que saber administrar, aprender a sorrir ante os padrões que a existência oferece. Isso não deixa de ser conquista da maior importância. É um desafio para os dias de hoje, precisamos aprender a conviver assim. Esse negócio de reclamar da dor de cabeça, receber o problema e fechar a cara, não querer conversar com ninguém quando algo nos aborrece tem que ser alterado, é um procedimento que evidencia a nossa fragilidade íntima. Quanto mais a gente consegue entender o mecanismo da evolução, e manter viva a oportunidade de amar e de sorrir, mais nós temos forças para passar pelos impactos. Não estou dizendo que é fácil, mas que temos que exercitar dessa forma.

A questão é que em grande parte das vezes deixamos que as intempéries empalideçam o nosso brilho e enfraqueçam a nossa energia. Deu para compreender? Quando surgir um daqueles dias pesados e difíceis em nossos horizontes, compelindo-nos à inquietação e à amargura, não será proibido chorarmos, mas também não vamos nos esquecer da divina companhia de Jesus.

O mundo é um laboratório, e longe de expectativas negativas vamos nos abastecer nos momentos felizes. A época em que estamos vivendo está muito difícil e complexa e vai haver ocasiões em que é indispensável recorrermos às provisões armazenadas no íntimo, nas colheitas dos dias de equilíbrio e abundância. Não vamos deixar as paixões nos envolverem tanto nos aspectos da negatividade, nem deixar os momentos importantes se perderem. Não vamos deixar o nosso deserto ficar sem um oásis. Porque acontece de estarmos tão atribulados, desanimados, tristes e passamos de olhos fechados pelo oásis, de tão preocupados com a etapa a seguir, e não nos dessedentamos. E nós precisamos muito desses momentos para recompor o destino e a força.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...