6 de jan de 2013

Cap 31 - A Felicidade e a Espada (2ª edição) - Parte 4


ADMINISTRANDO AS DIFICULDADES

É engraçado, mas nós temos por norma achar que tudo o que é obstáculo na nossa vida tem que ser retirado. Crescemos assim e mantemos essa ótica até que alcançamos uma visão mais abrangente do próprio mecanismo evolutivo.

Analisando com profundidade a gente aprende que o processo nem sempre é resolver a dificuldade, tirar a dificuldade do caminho, porque a dificuldade nós sabemos que é instrumento para crescer. Tem muito problema se realizando hoje e que não tem necessariamente que ser eliminado fisicamente. A questão é obtermos forças e condições para a administração das situações, sabermos administrar o sistema de vida, sabermos administrar a vida e nos contentar com aqueles aspectos que, às vezes, não são tão favoráveis e expressivos como a gente gostaria que fosse.

A felicidade pressupõe uma capacidade de sabermos adequar e administrar os recursos que temos. "Eu venci o mundo", disse o cordeiro divino. Isto é, eu passei por todas as vicissitudes e não me deixei envolver pelo que o mundo aponta. Fala ao nosso coração da necessidade de administrarmos os recursos em volta, seguirmos a jornada terrestre sem sucumbirmos às influências do mundo, pisar com tranquilidade e serenidade numa trajetória com harmonia e paz.

Um ponto importante a ser considerado é que muito do sofrimento não se dá pelo excesso de peso que carregamos, e sim pela incapacidade nossa de administrar as dificuldades. O maior número de conflitos no campo do psiquismo não é tanto do passado, é o conflito do hoje entre aquilo que o indivíduo sabe que tem que fazer e não faz. Essa grande luta instaurada é campo gerador de grandes dificuldades para o nosso espírito. Muitas angústias, depressões e outras psicopatias reinantes por aí são problemas de instabilidade do ser, embora seja bem mais fácil dizer que é coisa do passado: "Oh, o que eu fiz lá atrás? Estou com uma angústia muito grande, uma depressão tremenda. Meu Deus, como está pesada a luta. O meu carma é muito pesado".

Os carmas e os pontos obscuros na vida das pessoas é fato, porém, às vezes o negócio é de agora. A gente tem que ter essa consciência. E sabe qual é outro agravante? É que para criarmos circunstâncias somos extremamente hábeis. Nisso somos professores, tiramos nota dez, fazemos com naturalidade que é uma beleza. Mesmo que sejam circunstâncias que a princípio nos favoreçam a preço de grave prejuízo próprio depois. Agora, para extrairmos coisas positivas das circunstâncias menos felizes que nos visitam, falhamos enormemente.

A gente está custando a aprender que o painel de problema que nos visita, os problemas diversos, não vão desaparecer. Dificuldade é instrumento didático de aperfeiçoamento. Como esperar evoluir e crescer sem ela? Um aluno pode passar para estágio seguinte sem o desafio da prova? Tem jeito? Pode ocorrer de ficarmos tentando resolver um problema durante longo tempo, e sabe o que acontece? Nós desencarnamos, reencarnamos e estamos aqui até hoje com ele.

Quantas criaturas estão envolvidas em tratamentos hoje, sabe por quê? Porque lá atrás deram um passo na busca de uma felicidade que acabou não chegando. Uma felicidade que pode ter sido trabalhada de fora para dentro e a pessoa caiu em determinado ponto. Não pode acontecer? A mente gera e a vida responde aos anseios e a vida a colocou em determinado ponto. A pessoa não estava habilitada a viver aquilo. Resultado? Houve uma queda e hoje a criatura volta às condições para a retomada do caminho. E volta trazendo as marcas no seu plano psíquico a exigirem terapias demoradas, paciência, recomposição do destino, às vezes longos anos de hospitalização e de reabilitação lenta e dolorosa.

Então, vamos ter em conta que é preciso uma ótica bem segura para pegarmos determinados lances. Quantos ideais nós trazíamos e achávamos que podíamos fazer e não se tratavam de coisas para aquele momento? Era algo para a frente. O êxito nesse envolvimento em inúmeras frentes de ação que nos lançamos vai depender do estado de equilíbrio interior. E também de condições de saber entrar em faixas mais profundas do nosso psiquismo sem nos deixar conspurcar por problemas que serão superados nas experiências do porvir.

Vamos ter esse cuidado. Nós somos avaliados consciencialmente, de dentro para fora, no esforço de buscarmos solucionar os problemas, não na solução efetiva deles.

Se nós mantivermos na marcha da evolução uma postura apática, amanhã com certeza vamos ser cobrados porque fomos muito indiferentes. Se formos ultra ousados, amanhã também poderemos receber os efeitos da precipitação. No início temos a preocupação de respaldar, de querer resolver, e o tempo vai mostrando que não podemos realmente perder o estímulo de querer resolver, este tem que estar presente em nós a cada momento. De forma que cumprir com determinação envolve vigilância e auto observação, lances até de determinação e agressividade conosco mesmo, vez por outra. E é fundamental desativarmos a preocupação de buscarmos resolver as questões de maneira violenta, com a cara fechada, porque dessa forma, além de não resolver a gente não aguenta.

Nós podemos ingerir no organismo um peso em força, em energia, e ela desaparece em poucos minutos em razão da própria preocupação. O problema que estamos vivendo vai se aliviando na medida em que trabalhamos de maneira acertada, e que, sendo visitados por ele começamos a entender a sua razão, a razão do problema. Ao descobrir a razão dele ele já começa a se desativar perante a gente.

E tem duas outras coisas. A primeira: sorria. Isso mesmo. Esforce-se por sorrir mais que o trabalho fica alegre. Se fechar a cara e ficar mal humorado fica pior. E a outra é que quando for chamado, quando convidado especialmente a cooperar, vai. Quando for chamado, vai! De maneira resoluta e bem humorada, vai. Sabe por quê? Vai aqui um segredinho importante, se a gente não vai a vida vem nos buscar, percebeu? Manda buscar. E sabe como ela manda buscar? Quem é o portador dessa busca? Os problemas em casa, os problemas de saúde, as dificuldades várias que chegam de forma ainda mais contundente.

É preciso saber como anda a nossa consciência especialmente no que se refere à administração do processo. Percebeu? Saibamos ficar atentos para que a gente não fique vivendo das aflições, dos medos, dos dramas e das reclamações. Existe um grande desafio lançado no sentido de aprendermos a administrar os componentes que nos circundam, todos eles, sejam favoráveis ou difíceis.

Estamos tentando aprender algo que tem dado certo. Nos dias atuais, o sucesso para muita gente não é tanto ficar com a cabeça cheia de soluções e buscá-las. Hoje o nosso sucesso é chegar ao final de cada dia e olhar para trás, notar que agimos acertadamente e que não fizemos tanta confusão. Aquele que está querendo montar a todo custo um processo ideal de equacionamento tem vivido frustrado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...