7 de set de 2013

Cap 38 - O Sal e a Luz (2ª edição) - Parte 1

VÓS SOIS O SAL DA TERRA I

“VÓS SOIS O SAL DA TERRA; E SE O SAL FOR INSÍPIDO, COM QUE SE HÁ DE SALGAR? PARA NADA MAIS PRESTA SENÃO PARA SE LANÇAR FORA, E SER PISADO PELOS HOMENS.” MATEUS 5:13  

“49PORQUE CADA UM SERÁ SALGADO COM FOGO, E CADA SACRIFÍCIO SERÁ SALGADO COM SAL. 50BOM É O SAL; MAS, SE O SAL SE TORNAR INSÍPIDO, COM QUE O TEMPERAREIS? TENDE SAL EM VÓS MESMOS, E PAZ UNS CONS OS OUTROS.” MARCOS 9:49-50

O sal é um mineral altamente precioso. Formado por minúsculos cristais, encontra-se difusamente espalhado no globo terrestre.

Basicamente existem dois tipos de sal. Um deles é o sal marinho que, como o próprio nome já diz, é extraído através da evaporação da água do mar. Existe uma formidável quantidade que dele se encontra diluída na massa enorme de água que se compõem os diversos lagos e todos os mares do planeta. E não é somente isso. Também vemos o sal em abundância nas camadas secas cristalizadas em algumas regiões. Trata-se do sal da rocha, conhecido por sal-gema, retirado de minas subterrâneas resultantes de mares e lagos antigos que secaram.

O sal em seu estado puro, que é o que popularmente conhecemos, consiste de cloreto de sódio. É mais conhecido como sal comum, sal de cozinha, sal de mesa ou sal refinado, por ser largamente utilizado na alimentação humana. Em alguns casos são adicionados a ele substâncias ou temperos para o seu uso culinário.

Curiosidade interessante é que do total de sal extraído em todo o mundo apenas cerca de 5% dele é destinado ao consumo humano. Isso mesmo, apenas 5%. E também é interessante salientar que o valor do sal é tão concentrado que basta uma ingestão diária de uma colher de chá, ou seja 2,4 gramas. Aliás, alguns estudos prescrevem uma quantidade de consumo ainda menor.

Iniciamos este capítulo dizendo que o sal é muito precioso. De fato, poucas pessoas conhecem seu real valor. Desconhecimento que acaba por subtrair a importância do ensino de Jesus, quando ele compara o seguidor do seu evangelho com o sal. Para se ter uma ideia, quando o mestre mencionou essa comparação a importância desse produto, no contexto daquela época, extrapolava em muito a ideia de valores que temos hoje acerca do sal. Deu para perceber?

Ele era um produto muito mais imprescindível à sobrevivência humana do que é nos dias de hoje. É por isso que o "vós sois o sal da terra" é uma analogia singular. De uma beleza e profundidade extraordinária que passa desapercebida por grande parcela da humanidade. Agora, o que precisamos é considerar certas qualidades e propriedades características desse mineral fantástico e, mais ainda, entender qual a relação entre ele e os discípulos do Senhor. Entender de fato o que o mestre Jesus pretendia dizer com essas palavras.

Durante longo tempo o sal foi considerado muito precioso para a preservação dos alimentos. Tão precioso que chegou a ser chamado de ouro branco. Era usado pelos gregos e romanos como moeda em suas operações de compra e venda. Inclusive, a palavra latina salário deriva-se de sal, uma vez que parte dos vencimentos das legiões romanas era paga com sal, e depois incorporada ao soldo.

Ainda hoje, um dos principais acessos a Roma, então capital do Império, por onde as caravanas transportavam a riqueza para os romanos, chama-se Via Salaria.

O sal chegou a ser considerado artigo de luxo e apenas as pessoas mais ricas tinham acesso a ele. Na Idade Média era transportado por estradas construídas especialmente para esse fim. Nessa mesma época os europeus fizeram fortunas utilizando-o como tempero. Até o século XVIII a ordem de assento dos nobres nos banquetes era indicada pela posição de saleiro de prata maciça colocado na mesa e os menos ilustres ficavam abaixo dele, mais distantes do anfitrião. Mesmo no final do século XIX e começo do século XX, além de usado como condimento e produto medicinal passou a ser matéria-prima essencial para a indústria química e têxtil. No âmbito das religiões se inclui sal para purificar coisas, no xintoísmo, enquanto os budistas o usam para afastar o mal.

A influência que o sal exerce em nosso organismo, para manter o seu equilíbrio fisiológico, é muito grande. Podemos afirmar com tranquilidade que depende do seu indispensável concurso a manutenção do nosso bem estar físico.

Nosso corpo se constitui de 60% de água salgada, cuja composição é quase idêntica à do mar, constante de sais de sódio, cálcio e potássio. Está presente na esfera da atividade fisiológica do homem terrestre o sabor do sal no sangue, suor, lágrimas e excreções. Segundo especialistas, enquanto nos movimentamos na esfera da carne somos como criaturas marinhas respirando em terra firme e corpúsculos aclimatados dos mares mais quentes poderiam viver à vontade em nosso líquido orgânico. Se o assunto é alimentação não podemos prescindir do sal. Na área medicinal pode ser usado para amenizar dores, estimular a circulação, aumentar a pressão arterial, combater inflamações e inchaços.

O sal é solúvel em água. Se dissolve com facilidade e conduz eletricidade, pois se dissocia nos seus íons constituintes passando estes a funcionar como eletrólitos. Sendo assim, o sódio e o cloro presentes no sal são eletrólitos, minerais que conduzem eletricidade em nossos fluidos e tecidos. Outros eletrólitos principais são o potássio, o cálcio e o magnésio. Não sei se você sabe, mas o sal é responsável pela troca de água das células com o seu meio externo, ajudando-as a absorver nutrientes e eliminar resíduos. Também é responsável no processo de contração muscular e o ser humano igualmente precisa de sal para o crescimento e o equilíbrio dos eletrólitos. Os nossos rins controlam a quantidade de eletrólitos e água regulando os fluidos que ingerimos e expelimos de nosso corpo. Se essa quantidade estiver alterada nossos músculos, nervos e órgãos não irão funcionar corretamente uma vez que as células não conseguiram gerar contrações musculares e impulsos nervosos.

A baixa quantidade de sal, hiponatremia, é um dos distúrbios de eletrólitos mais comuns e pode causar inchaço cerebral e morte. Com muita quantidade no corpo, hipernatromia, os rins não conseguem eliminar e o volume de sangue pode aumentar, pois o sódio retém água, o que pode fazer o coração bater mais forte.

Muito bem. O que fizemos até agora foi um apanhado diminuto e resumido acerca da sua importância. Afinal, nosso objetivo é a relação do sal com os seguidores do evangelho, assunto interessante e que abordaremos no próximo tópico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...