15 de jan de 2014

Cap 40 - A Pesca Maravilhosa - Parte 10

O TRABALHO À NOITE E SOBRE A BASE DO CRISTO

“E, RESPONDENDO SIMÃO, DISSE-LHE: MESTRE, HAVENDO TRABALHADO TODA A NOITE, NADA APANHAMOS; MAS, SOBRE A TUA PALAVRA, LANÇAREI A REDE.” LUCAS 5:5

Na passagem evangélica que estamos estudando os discípulos trabalharam durante toda a noite e nada apanharam. Ou seja, lançaram suas redes, mas em vão.

Vamos avaliar com carinho essa questão, porque tem muito ensinamento embutido aí. O trabalho a que se refere Simão Pedro não ofereceu os frutos esperados porque fora realizado quando? À noite. Está dando para entender? Noite lembra o quê? Escuridão. É quando se dá a desconexão da luz. Caracteriza-se pela ausência de luz. É símbolo da escuridão que ainda prepondera no nosso espírito, indicativo dos diferentes tipos de imperfeições que mantemos.

O trabalho efetuado à noite indica o trabalho feito sob o nosso circuito, em meio às trevas da ignorância e da incompreensão, efetuado com o uso dos nossos valores puramente humanos, com a exteriorização de muitos dos nossos valores menos felizes. A escuridão é dos homens, das suas vaidades e presunções. Tantas vezes nos esquecemos disso e insistimos em trabalhar no contexto restrito da nossa pequenez de investimento, e desse modo ficamos carentes.

Quando insistimos em trabalhar e querer realizar qualquer coisa que seja dissociados do amparo superior, utilizando apenas os nossos padrões limitados, costumamos obter como resposta da vida grandes decepções e frustrações.

Em sentido profundo, o trabalho feito durante toda a noite é indicativo claro de que sem o entendimento e aplicação do evangelho as nossas aquisições espirituais são infrutíferas. Somos componentes irradiadores e a irradiação faz papel de indução ou sensibilização em volta. Essa situação, no entanto, pode ser alterada se decidirmos agir sob o peso da palavra de Jesus. Pela mudança de postura e sentimento de humildade temos que lançar a rede sob a palavra dele.

Ao analisarmos o texto com a atenção devida e a profundidade necessária nos deparamos com uma das mais belas expressões de fé raciocinada presentes no evangelho: "E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede." (Lucas 5:5)

Será que deu uma ideia de onde queremos chegar? Notamos que tem dois tipos de trabalho: o efetuado antes, com a utilização única dos padrões puramente pessoais, e o realizado após o conhecimento da boa nova. O devotado servidor se propôs a lançar de novo a rede numa demonstração de humildade e confiança no Senhor. Cabe-nos também reconhecer nossa pequenez e adotar atitudes novas e resolutas, seguindo o exemplo daquele apóstolo. Nossa transformação íntima demonstra que não é suficiente estarmos sintonizados com a luz, temos que ir além e dar um colorido prático a essa  luz.

Se somos continuamente desafiados a adotarmos uma postura de renovação interior, a mensagem do evangelho nos fala da necessidade de adesão clara e segura do trabalho a ser feito sob a tutela do Cristo. Temos que olhar para a frente, não para trás. O que ficou já não tem tanta importância e para aprendermos sob o influxo do amor temos que trabalhar sob base do Cristo, não de Moisés.

Nossa tarefa legítima e autêntica começa sobre a base do Cristo. A sedimentação desses padrões novos só podemos tê-la na capacidade operacional em nome do Cristo. Todo sistema de aprendizado e de realização nossa necessita ter uma parcela considerável atribuída ao Cristo, tanto que ele fala assim: "fizer em meu nome." Estamos enfatizando isso porque é algo que tem que ficar bem claro. Temos que trabalhar em nome dele, que está orientando e ensinando, não em função nossa, porque em nosso nome guardamos muitas dúvidas ainda. E sobre isso vamos clarear bastante na próxima parte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...