3 de set de 2014

Cap 45 - Seja Feliz Hoje - Parte 7

PRATIQUE O QUE VOCÊ SABE

Se quisermos ser feliz temos que colocar na cabeça e coração uma série de estratégias.

Para alcançar a vida adequada nestes tempos agitados é preciso trabalhar com carinho cada episódio que nos visita. 

Não dá mais para ficar como expectadores da evolução, nem permitir que os valores de fora nos precipitem em determinadas faixas negativas no campo das emoções. Não adianta reclamar do mundo. Isso não melhora a situação de alguém em nada, até pelo contrário. Imperioso é que cada qual trabalhe seu próprio mundo íntimo.

Vamos entender a felicidade dentro da nossa condição, desde que nos situemos embasados em uma proposta nova, trocando a reclamação pela operacionalização. Cada qual operando na faixa em que é competente. Também não dá mais para ser feliz fazendo apenas o que é exigido, não há como ter a desejada estabilidade no cumprimento da lei apenas. E para isso não existe nenhuma fórmula mágica. Vida, na acepção que o evangelho sugere, é a nossa ação, a nossa atividade, o nosso dinamismo empregado no dia a dia.

O tempo passa, o relógio invisível não descansa e continuamos buscando um componente chamado felicidade, confiança, harmonia, equilíbrio e segurança. Existem momentos em que a gente tem que correr, dar os passos mais rápidos, agir de forma mais ativa, resoluta, apressada mesmo, e tem momentos em que temos que reduzir a marcha, manter um ritmo bem tranquilo e calmo. Mas tem gente que só anda correndo, ao passo que outros passam a vida inteira lentos. Temos que administrar a dinâmica das ações e agir conforme a proposta e as circunstâncias. A vida é assim, tem momento que chove, que faz sol, tem momento que tem calor, tem momento que tem frio.

Se antes acreditávamos que a harmonia se dava mediante a apropriação de componentes materiais, objetivos, tangíveis, hoje sabemos que esse estado reside principalmente na estabilidade interior do ser. E o mais importante, estabilidade obtida não apenas pelo conhecimento, mas também pela capacidade de operar.

A ingestão nossa das leis que regem o universo, por si só, não tem atendido mais. Aliás, na medida em que assimilamos conhecimentos o grito íntimo passa a ser de aplicabilidade desses padrões recebidos. Na medida em que vamos encontrando o grau informativo necessário nós começamos a compreender o quê? Que a mensagem arregimentada em nosso espírito instaura um desafio a mais, que é o desafio de implementar o conhecimento no coração.

Em todas as vezes que recebemos uma informação nova nós podemos ter a certeza que se abrem para nós possibilidades de aplicação, a fim de que a gente faça um sistema de ajuste à nova mensagem.

A felicidade só pode ser alcançada mediante a assimilação da verdade, e a verdade está com o Cristo. E aí? Como é que fica? A felicidade surge com a ingestão de valores novos e a concomitante ampliação de novos campos de ação. Em outras palavras, nós ingerimos a verdade e procuramos nos aperfeiçoar, e a felicidade surge como um resultado natural desse aperfeiçoamento.

A felicidade não resulta tanto do crescimento vertiginoso do conhecimento. O grau de felicidade e de equilíbrio está ajustado à capacidade de ajuste. Todo mundo pode transformar a existência em condições mais abertas, mais agradáveis, sem tantos atropelos, sem tantas nuvens carregadas sobre a cabeça, à partir do momento em que exercita de forma mais autêntica aquilo que se conhece.

Isto não é discurso em vão. O que realmente garante a felicidade é a vida que levamos ao nível mental e operacional.

Quanto mais você consegue realizar no campo prático aquilo que você sabe intelectivamente, quanto mais você alcança o exercício daquilo que arregimentou, quanto mais a compatibilidade do seu fazer com o seu saber, mais harmonia você tem, mais equilíbrio e mais segurança você sente.

Essa coisa de achar que temos que sair feito doidos correndo para cima das realizações é uma ideia distorcida. Temos que desativar isso. Nós estamos vivendo, cada um com a sua dificuldade, com o seu sofrimento, com as suas lágrimas, com a sua alegria, mas é a vida que nós temos. O imperioso é tentarmos melhorar a vida que estamos vivendo hoje. Inicialmente, traçando propostas de crescimento consciente e sabendo que é a dinâmica do crescer que realmente vai nos alegrando. Quanto mais a nossa vida reflete o que sabemos menos problemas nós temos, menos impactos recebemos e menos tristeza sentimos.

E tanto é assim, que os maiores dramas dos corações residem onde? Não é no desconhecimento da lei. Porque quem desconhece a lei, o que ele faz, ainda que não seja bem consoante com a realidade maior, não produz marcas profundas no seu psiquismo. Percebeu? Porque ele agiu de maneira desinformada.

Problemas transformam-se em sofrimento quando nós entramos numa luta entre o que sabemos e o que fazemos.

De forma que se a aplicabilidade do conhecimento não é acertada e tranquilamente levada a efeito, o próprio conhecimento recebido age de maneira coercitiva, nos levando ao descontrole e ao desconforto. Porquê? Porque a consciência já vê uma linha acertada e o plano operacional não se faz compatível.

Vamos observar que no mundo de hoje uma gama de desajustes no campo mental e psíquico se fazem presentes. Incontáveis tipos de psicopatias, das mais intrincadas, estão aumentando assustadoramente. Muitas delas, sabe decorrentes de quê? De um desajuste, entre o que o vir a ser aponta e o que é ou está domina. Ficou claro ou falei grego? Sabemos o que precisamos, mas ainda gostamos daquilo a que estamos ajustados. Existem muitos elementos que sabem o que precisam fazer, no entanto fogem daquilo que é necessário fazer.

Não é assim? Tem assuntos que nos abominam, não tem? Nós pulamos fora deles. Tem momentos em nossas conversações que a pessoa está falando alguma coisa que mexe com a nossa intimidade e nós tiramos o olho. Isso é comum. Para certas questões, nós ignoramos e não queremos enfrentar a realidade. Para resumir: é feliz quem sabe e aplica; infeliz, quem sabe muito e aplica pouco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...